APPLE & PERFORMANCE TOTAL

Olá, amigos da Performance Total!

No post anterior falei sobre a fórmula da Performance Total (Propósito + Competência + Resultados) para pessoas, trazendo como livre referência o nosso grande ídolo e um dos melhores pilotos de Fórmula 1 de todos os tempos: Ayrton Senna!

Neste texto, quero associar a fórmula da Performance Total a uma empresa.

Vamos tentar um exercício simples. Me acompanhe…

Olhe com atenção para este logo:

Qual o primeiro pensamento que veio à sua mente?

Em minhas palestras e treinamentos tenho feito esse exercício e mais de 90% dos participantes declaram que o que vem à mente deles são pensamentos como inovação, status, diferenciação, tecnologia, sucesso, design, futuro, poder, iPhone, iPad, iPod, Mac… Os outros 10% falam computador, caro, inflexível, smartphone, tablet, mp3…

Vejam que interessante: as primeiras palavras dos 90% referem-se ao Propósito, à essência da Apple, que é traduzida na estratégia de comunicação que a empresa utiliza para se apresentar ao mercado (por exemplo, “Pense diferente” ou “Isso muda tudo. De novo”).

Num segundo momento, a Apple apresenta suas Competências – a proposta de valor – e fala da tecnologia, das facilidades e do poder das ferramentas e soluções embarcadas em seus produtos.

Como Resultados, a entrega de valor (aqui, para os seus acionistas). A Apple é uma das empresas mais valiosas do mundo, ocupando o segundo lugar, com valor de marca de US$ 107 bilhões, segundo a Brand Finance.

Na minha experiência como executivo e consultor, quando falamos de Propósito numa empresa – e a pergunta básica é “por que a empresa existe?” – é muito comum associarmos a lucro, receita, crescimento e aspectos financeiros. Nada de errado nisso. Porém, tratam-se de resultados e não de propósito. Propósito tem a ver com algo que faz valer à pena para os clientes de fato comprarem seus produtos ou serviços; uma razão única pela qual os colaboradores acordam todos os dias e entregam o seu melhor nas muitas horas que dedicam ao trabalho. Isso, de fato, é propósito, e tenham a certeza de que ajuda muito nos resultados!

Para Competências (proposta de valor) numa organização, é preciso ir além do tradicional CHA (conhecimento, habilidade e atitude). Mais do que isso, quais são as suas competências essenciais, aquelas das quais já falava Michael Porter no tradicional Vantagem Competitiva? O que só você faz, ou que você faz de forma muito superior ao seu concorrente?

Para Competências, se preferir, vamos para o Oceano Azul. Você está de fato criando novos mercados para atuar onde não existe concorrência? Onde não será preciso competir por preço e seu negócio será visto como um verdadeiro espetáculo?

Mas, para isso, lembre-se: além das Competências será preciso um Propósito.

E vamos para os Resultados (entrega de valor). Trata-se de definir uma estratégia (objetivos, metas, rotas de ação, indicadores, responsáveis, monitoramento) que permita uma visão clara do caminho a ser seguido e onde cada um dos profissionais, em todos os níveis da organização, possa saber quais são o seu papel e a sua contribuição para os resultados finais.

Para a Performance Total, em todas as empresas os três elementos precisam ser plenos, claros, estruturados e comunicados. Como você avalia a sua organização hoje em relação aos três elementos?

Nos próximos posts, vou falar um pouco sobre os riscos e consequências do desequilíbrio na fórmula da Performance Total.

Deixe aqui o seu comentário e, se precisar de dicas, nos envie ume-mail: contato@performancetotal.com.br