COMO DAR UM PLAY EM SEU PROPÓSITO – PARTE 1

Em artigo publicado no LinkedIn, o “guru” de RH Davi Ulrich (https://www.linkedin.com/pulse/finding-meaning-mundane-dave-ulrich/?trk=v-feed) traz reflexões muito legais sobre significado ou Propósito (um dos três elementos da Performance Total).

Ele fala da convergência em diversas disciplinas em torno da ideia de um modelo de três passos de impacto: de mudança de atividade (o que é feito), para experiência (como é feito), para o propósito (por que é feito). Para saber mais, recomendo o livro do Simon Sinek – Start with why – editado no Brasil como “Por que? Como motivar pessoas e equipes a agir”.

Me chamaram a atenção os impactos em alguns dos cenários organizacionais. Vejam que interessante:

Talento/pessoas

:: Atividade: ajude os funcionários a ficarem satisfeitos.

:: Experiência: compromisso ou compromisso do empregado.

:: Propósito: inspire as pessoas a sustentarem o compromisso pessoal por meio da tomada a cargo do seu trabalho e a encontrarem um significado real dele.

Pessoas com entendimento do real propósito do trabalho são mais felizes e produtivas!

Liderança

:: Atividade: faça o que os líderes fazem (definir metas, tomar decisões, fazer as coisas, se comunicar).

:: Experiência: crie liderança além do líder que está embutido no banco de liderança.

:: Propósito: torne-se um criador de significado para os seus funcionários, clientes e investidores.

Quando os líderes são orientados por um propósito, “eles inspiram pessoas a fazerem o melhor possível” e instilam nos clientes a “sensação de propósito do produto”, gerando “confiança tangível dos investidores sobre o sucesso futuro”.

Organização

:: Atividade: esclareça papéis e responsabilidades para que as pessoas saibam o que fazer.

:: Experiência: crie uma cultura para que as pessoas saibam agir.

:: Propósito: torne-se uma empresa orientada por propósitos (consciência social) para que a organização incorpore os valores vivos.

Organizações com um propósito claro “são mais propensas a ter sucesso no mercado”, criando “bens sociais”; a cultura organizacional “cria valor de mercado”; “sustentam a inovação em produtos e serviços e nos modelos de negócios”.

Com base nesse movimento que coloca o Propósito (por que?) como fator crítico de diferenciação competitiva (tanto no âmbito pessoal quanto no dos negócios), como podemos encontrar o nosso real propósito?

Falarei sobre isso no próximo post. Até lá!