O Poderoso Feedback – Parte 2

Veja a seguir os principais passos para você aplicar o feedback de correção:

1. Deve ser aplicado em particular. É uma conversa difícil, portanto prepare um ambiente reservado e confortável. Cuide de não haver interrupções e dedique todo um tempo exclusivo para essa conversa.

2. Prepare-se antecipadamente e treine o conteúdo e o formato da comunicação.

3. Seja descritivo sobre a razão do feedback. É preciso que o outro tenha clareza sobre quando aconteceu, o ambiente, as pessoas presentes. Esses detalhes trazem à tona as emoções daquele momento.

4. Seja específico sobre a situação e os impactos que causam na equipe ou no indivíduo. Explique os impactos em você e/ou na equipe que justificam essa conversa difícil.

5. Considere na construção da mensagem, principalmente o que pode ser mudado pelo outro para as mudanças de rumo e o que você pode ajudar. Em algumas situações pode ser necessário outro tipo de intervenção que você não está habilitado a fazer.

6. Não imponha a mudança pessoal. Ela é uma escolha do outro. Você como líder pode influenciar e persuadir positivamente, mostrando as vantagens da mudança e as desvantagens de não mudar.

7. Oportuno no tempo / momento. Cuidado ao aplicar o feedback imediatamente após o fato gerador, principalmente se houver emoções muito fortes envolvidas (principalmente as suas). Mas, não deixe passar muito tempo, pois essa demora irá retirar grande parte da potência do feedback.

8. Foco na solução, afinal o problema já aconteceu e as consequências já devem ter sido sentidas. Qual o plano de ação para fazer as mudanças necessárias?

9. Cuidado para não dar conselhos, pois eles serão encarados como solução. E se caso não gerarem os resultados esperados por você e pelo outro, a “culpa” será sua!

10. Cuidado para não julgar. O feedback deve ser aplicado a partir da observação de um fato. Não utilize em nenhuma hipótese palavras ou expressões que desqualifiquem ou coloquem rótulos no outro.

11. Considere que um feedback de correção pode gerar impactos profundos no outro, portanto preocupe-se muito com o formato da comunicação e com o modelo mental dele (já escrevi sobre isso num post recente sobre a competência Comunicação). Quem recebe o feedback vai fazer uma leitura do conteúdo segundo seus próprios valores e crenças.

12. Lembre-se que o feedback é uma comunicação de mão dupla. Portanto, quem recebe precisa ter espaço para dialogar. Nesse sentido, quando o outro se posicionar, pratique a escuta ativa, a consideração, a empatia e a compaixão. Mas cuidado para não ser manipulado!

E você, como tem conduzido o feedback de correção? Gostaria muito de conhecer alguma experiência nesse sentido!