Porquê planejar estrategicamente?

Para organizar um plano, um roteiro ou para ter a intenção de realizar algo, e executar o plano aplicando com eficácia os recursos que se dispõe e explorando as condições favoráveis para o alcance das metas.

O plano estratégico é de um exercício profundo sobre todas as condições – favoráveis ou não – que efetivamente contribuam para o atingimento das metas de uma organização, de uma carreira, de uma família, ou de qualquer grupo ou indivíduo.

No plano estratégico são definidos todos os recursos – humanos, financeiros, materiais, técnicos, tecnológicos etc. – necessários para o alcance dos objetivos.

A análise das condições envolve responder a 4 perguntas básicas, aplicadas aos negócios ou à vida pessoal:

· Quais forças possuo que me favorecem?
· Quais fraquezas possuo que podem me prejudicar?
· Quais ameaças existem no ambiente que colocam em risco os resultados?
· Quais oportunidades existentes no ambiente podem facilitar a realização dos objetivos?

Forças e fraquezas são aspectos internos presentes numa organização ou em um indivíduo, sobre as quais temos total autonomia e condições para alterar a realidade e ampliar as possibilidades de atingir as metas.

Ameaças e oportunidades são aspectos externos presentes no ambiente onde organizações e indivíduos atuam e sobre as quais temos pouca ou nenhuma condição de alterar o cenário, mas podemos agir para reduzir ou potencializar seus impactos nos objetivos.

“Não podemos prever o futuro, mas podemos criá-lo.” Peter Drucker

Ao definirmos objetivos futuros (curto, médio e longo prazos) e realizar a análise das condições presentes que interferem na obtenção dos resultados, estamos construindo e viabilizando um futuro possível, com todos os recursos que são necessários e com todos os riscos presentes.

Para que o plano estratégico resulte na definição de objetivos realmente relevantes, é preciso ter clareza do porquê fazemos o que fazemos (propósito), para que e/ou para quem fazemos o que fazemos (missão), aonde queremos chegar e em quanto tempo (visão) e quais as condições inegociáveis para realizar a jornada (valores), além de um conjunto de competências que efetivamente contribua para a execução do plano.

Num mundo VUCA e BANI, onde o que sabemos e o que fazemos hoje pode não servir para enfrentar o amanhã, o exercício de planejar o futuro pode parecer ineficaz.

Ainda assim, precisamos adotar uma postura de protagonismo, escrevendo a própria história, de forma que pensar, planejar e agir estrategicamente é decisivo para o sucesso e para a realização plena.

E você, como tem enfrentado as incertezas do futuro como um plano estratégico pessoal ou de negócios no presente?

Seria muito legal conhecer sua opinião e experiências?