7 FALHAS CAPITAIS NOS SISTEMAS DE RECOMPENSA

Por que os sistemas de recompensa usados há muito tempo não apresentam os mesmos resultados hoje?

Esses sistemas têm elementos motivadores extrínsecos, baseados em metas nem sempre claras e negociadas com os envolvidos.

Também não são alinhadas com as expectativas e valores das novas gerações que já ocupam grande parte do mercado de trabalho.

Acompanhe a seguir as 7 falhas capitais desses elementos e suas consequências para a motivação humana:

  1. Extinguem a motivação intrínseca.

Pois sempre aguardaremos recompensas externas, reduzindo em muito nosso protagonismo na busca da realização e da felicidade.

  • Prejudicam o desempenho.

Não há garantias que uma recompensa oferecida previamente, de fato vai proporcionar a entrega do melhor resultado. Aliás, vários estudos indicam exatamente o contrário.

  • Embotam a criatividade.

As recompensas estreitam o raciocínio das pessoas e interceptam a visão mais ampla que pode permitir novas soluções, sobretudo quando há tempos e prazos relacionados.

  • Afetam o bom comportamento.

Nem sempre o ser humano enxerga nas recompensas algo que de fato seja importante para que ele se mobilize no sentido do que se espera. Não raro, funciona ao contrário.

  • Estimulam a trapaça, os atalhos e o comportamento antiético.

 “O problema em fazer da recompensa extrínseca o único destino que importa é que alguns escolherão o caminho mais rápido, mesmo que signifique a pior estrada.”

  • Tornam-se viciantes.

A cada novo ciclo de recompensas, aumentam as expectativas de ganhos adicionais, num ciclo vicioso que quando é preciso romper irá gerar inúmeros problemas, alguns deles insolúveis para a continuidade do relacionamento.

  • Alimentam o raciocínio de curto prazo.

Tendem a manter o foco apenas sobre o que estiver imediatamente à nossa frente, prejudicando a visão de novas perspectivas, tanto periféricas e adjacentes, como de futuro, incluindo mapeamento de consequências.

Apesar dessas falhas, o modelo ainda funciona sobretudo em:

  • Atividades rotineiras e de baixa complexidade.

Esse tipo de atividade normalmente não exige grande esforço de quem executa, principalmente do ponto de vista da criatividade e da exigência de maiores níveis da inteligência.

Portanto, quase sempre as recompensas extrínsecas funcionam bem para obter melhores resultados.

  • Situações pontuais onde a recompensa pode ajudar na mobilização das pessoas.

Muitas vezes precisamos do esforço adicional das pessoas para cumprir alguma meta, objetivo ou necessidade específica, mas que normalmente não é algo que requeira nenhum esforço intelectual adicional. Apenas algum “sacrifício” de horas adicionais, por exemplo.

E você gestor, quais estímulos externos tem adotado para manter a motivação interna de sua equipe?