Comunicação é uma competência primária e transversal para a liderança.

Comunicar bem é uma habilidade, portanto, pode ser desenvolvida, aprimorada.

Claro que existem pessoas que tem o “dom da oratória”, que se comunicam com tamanha leveza e clareza, com qualquer público, que parece que é algo “divino”, que já nasceu para falar em público!

Ou que escrevem com facilidade, dominando a construção do discurso e a língua utilizada!

Ou que combinam falar, escrever e gesticular com tamanha harmonia, que parece um discurso dos Deuses!

É importante fazer uma distinção entre falar e comunicar.

Certamente, você já falou sozinho, com você mesmo ou com alguém imaginário, seu companheiro de tantos anos!

Ou talvez você já tenha falado para uma câmera, preparando um vídeo sobre um assunto qualquer ou uma mensagem para alguém.

São duas situações diferentes de “falar”, mas com uma coisa em comum: não era necessário ninguém real como seu interlocutor, certo?

Pois bem, para falar você não precisa do outro. Basta que você pense em algo e pronto: lá está você falando sozinho!

Portanto, falar é intrapessoal, quando o interlocutor é dispensável.

Comunicar é um pouco diferente.

Quando você comunica algo, você fala para outro (uma pessoa, um grupo, uma multidão).

Portanto, comunicar é interpessoal, quando o outro é indispensável.

Ao comunicar, você espera que o outro reaja de alguma forma àquilo que você está comunicando e, preferencialmente, que a reação seja a esperada por você na medida da necessidade daquele discurso.

Assim, comunicar não é apenas aquilo que você fala, mas primordialmente, aquilo que o outro entende.

Portanto, é uma via de mão dupla que só é completa quando:

  • Obtém algum tipo de resposta.
  • Provoca no receptor uma vontade inabalável de mudar algo em sua vida:
  • um pensamento;
  • um ponto de vista;
  • uma atitude.

E você, qual sua opinião sobre a importância da comunicação no exercício da liderança?